Eram as primeiras horas do dia 24 de julho, madrugada de sábado para domingo, recebi o chamado de uma passageira que estava num “barzinho” na rua Girassol, na região da Vila Madalena. Chegando ao local, recepcionei três pessoas, sendo um jovem casal e uma mulher que aparentava seus 27 anos. Provavelmente não queria “segurar vela” e nem ir apertada com o casal no banco traseiro, e então pediu para vir na frente comigo. Ela era morena, cabelos lisos, os dentes brancos e o constante sorriso era uma característica marcante. Um pouco de euforia somava-se a essas qualidades.  Rumei ao destino que o aplicativo mostrava, na região da Bela Vista. Essa alegria e alto astral marcara esse trecho, a ponto inclusive de ser convidado a participar como coadjuvante de alguns dos muitos Snapchats que ela enviava constantemente à rede social.

Durante esse curto trajeto, ela me perguntou se eu fazia ideia de onde ela era. Notei o sotaque de mineira dela e então com toda a certeza do mundo disse se tratar de uma pessoa de Minas. Ela com o seu peculiar jeito debochado e alegre me disse: “Você acertou, sou uma mineira de Cuiabá!” Aos risos de todos dentro do carro a viagem prosseguiu.

Quando cheguei ao destino, a mulher ainda eufórica se despediu do casal e dizendo que iria continuar a viagem (????), e que iria até Cumbica aguardar um voo vindo da Suíça, o qual trazia seu namorado que ela não via há três anos. De início achei que aquilo era somente uma piada, o que aquela altura não me surpreenderia em nada dado o tanto “sarrista” que a mulher se mostrara. Somente percebi ser verdade tal “história maluca” quando apareceu  no aplicativo uma nova instrução de destino.

O casal desembarcou e mandou através dela lembranças ao suíço. Custou um pouco, mas ali “caiu a minha ficha” e percebi que estava testemunhando uma história irreverente daquela pessoa pouco convencional. Era por volta das 03:30 daquela madrugada e após o desembarque do casal e iniciada a viagem do segundo trecho, a mesma reclinou o banco e dormiu durante o novo trajeto.

Dormiu facilmente, e eu ali entendi o que estava fazendo … levando uma mulher apaixonada que saiu direto de uma balada e que aquela altura sonhava com o eminente encontro com o seu amor, no terminal 3 em Cumbica.

Add comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *